Idade Maior

A relação qualidade/preço

Nem sempre é a correcta e causas são várias. Conheça as diversas variáveis que influenciam este mercado.


Os preços dos vinhos variam e a qualidade também mas, por vezes, em sentidos opostos. São muitos os factores que influenciam o preço de venda final de uma garrafa.

Os custos de produção, estratégias de mercado e marketing, inflacionamento da região de proveniência e comissões de distribuição e venda são alguns  dos vectores que definem um preço. No entanto, e pela simples análise da casualidade de cada um destes condicionantes, deparamo-nos com enormes discrepâncias nas relações preço/qualidade.

O poder da distribuição
Em Portugal, o poder deste sector está afastado de quem produz e, para a grande maioria dos que fazem vinho, a sua proporção dos ganhos é ínfima.

Por outro lado, a praça está saturada não só pelo volume de produção mas, também, pela tremenda quantidade de marcas sem poder comercial. Ou seja, pequenos volumes de produção que, por força de razão, sem capacidade para investimentos em comunicação e ónus de influência. Com tudo isto ganha dinheiro quem distribui e quem vende, em detrimento de quem faz vinhos.

Finalmente aparecemos nós, os consumidores, confundidos com discrepâncias, com estratégias de venda sem fundamento e a pagar preços descabidos por imposições de intermediários.

É de extrema importância, para o bem de quem faz o vinho, a salvaguarda dos interesses dos consumidores, à margem da influência dos comissionistas e imposições das grandes superfícies. Para o garante da continuidade da nossa cultura vitivinícola, urge um mercado que assente em distribuições de ganhos mais equitativos e de acordado com definições de preços mais próximos das relações de qualidade.

amcruz@sitiodovinho.com