Idade Maior

Provas plurais

Podem ser verticais, horizontais ou, simplesmente, servir para comparar preços. Mas também para perceber as diferenças e definir as características dos vinhos.


A prova conjunta de vários vinhos tem enormes vantagens classificativas, quando a esse propósito se destina mas, sobretudo, didácticas para quem quer comparar, perceber diferenças e conferir características. São vários os tipos de provas que, facilmente, pode praticar:

As chamadas provas verticais destinam-se a comparar diferentes colheitas de uma mesma marca. Averiguamos as variações qualitativas de cada ano, apuramos a tendência evolutiva de um vinho para definir uma idade aproximada para um consumo óptimo, percebemos as semelhanças e as diferenças que os anos e a idade conferem.

As provas horizontais comparam diversos produtos distintos, de uma única região, e com o mesmo ano de colheita. Também aqui desvendamos a influência que os factores comuns administrarão e as diferenças que gamas e casas distintas ostentam.

Outra prova extremamente provocante e divertida, consiste em comparar produtos dentro de um intervalo de preço estabelecido. É uma prova adaptável à nossa carteira, muitas vezes surpreendente, e para a qual podemos juntar amigos abonadores. Aqui, desvendam-se os achados e os enganos.

Finalmente, temos a didáctica comparação de vinhos com a mesma casta: captam-se as características aromáticas que a distinguem, comparam-se a condução de vinhas e a vinificação de fruta idêntica, desvenda-se a influência do clima e solos de uma determinada região sobre a fruta? enfim, definem-se gostos!

Todas estas provas são convidativas, facilmente escalonáveis à medida das nossas capacidades e apelam a boa companhia.
Mas há que ter sempre uma regra em consideração: as nossas papilas gustativas são muito facilmente influenciáveis pela nossa visão e um rótulo, uma marca ou um preço afectam-na estrondosamente. O meu conselho ? Tape sempre os rótulos e beba o vinho, não um nome!