Idade Maior


deixe a sua opinião
  • Nome
  • E-mail
  • Comentário
últimos artigos
Sabia que quatro milhões de pessoas morrem em cada ano devido ao consumo do tabaco?

Este número assusta qualquer um. No entanto, a nível mundial, o número de fumadores cresce todos os ano. O tabaco é uma droga que cria grande dependência física e psicológica e que leva a que o fumador se mantenha a fumar durante muitos e muitos anos (uma média de 30). Estima-se que cerca de 30 por cento dos cancros, 20 por cento das doenças cardiovasculares e 80 por cento das doenças pulmonares obstrutivas crónicas têm origem no consumo do tabaco. Estima-se também que 50 por cento das pessoas que fumam morrem devido ao consumo do tabaco e cada fumador perde, em média, 16 anos de vida.

Os peritos de saúde em todo o mundo têm apontado o fumo do cigarro como um dos maiores riscos para a saúde, como uma das principais causas de morte prematura devida a doenças do coração, cancro do pulmão, laringe, etc. e como um impiedoso causador de enfermidades do aparelho respiratório, responsável pela bronquite e pelo enfisema.

Os riscos que o fumo do cigarro acarreta para a saúde dependem directamente da idade em que se começa a fumar e da quantidade e tipo de cigarros que se fuma.

Deixar de fumar produz benefícios importantes e imediatos para a saúde de homens e mulheres de todas as idades, pois não só diminui o risco de cancro do pulmão e de outros cancros, como de um  enfarte do miocárdio, de um  acidente vascular cerebral e da limitação crónica da falta de ar.

A nicotina
A nicotina é uma substância química potente que dá prazer, aumenta a atenção, diminui a fome, melhora o estado de espírito e acalma os sintomas de abstinência da mesma. Pode actuar como estimulante ou relaxante. Se o nível da nicotina for muito alto, podem surgir náuseas, salivação excessiva, suor frio, palidez, aumento da pulsação, dor de cabeça e perturbações do sono. A nicotina demora cerca de sete segundos dos pulmões ao cérebro. Um fumador médio repete este processo cerca de 200 vezes ao dia (73.000 por ano), e isto leva-o à dependência do tabaco. A nicotina tem uma vida aproximada de duas horas.

Quando os níveis de nicotina estão abaixo dos níveis de conforto de um fumador, aparecem sintomas de abstinência, como ansiedade, incapacidade de concentração, irritabilidade, impossibilidade de descansar, dores de cabeça, entre outras. Quando se deixa de fumar, a maioria dos sintomas de abstinência alcançam a sua intensidade máxima 24 a 48 horas depois de ter deixado de fumar e diminuem gradualmente de intensidade em duas ou três semanas. No entanto, outros sintomas como o desejo de fumar, particularmente em situações difíceis, persiste durante meses ou anos.

Tabaco&Cancro
O fumo do tabaco contém carcinogéneos (substâncias que causam cancro), sendo o alcatrão o mais importante, pois faz com que as células basais se dividam excessivamente e demasiado depressa, formando-se assim, massas de células não especializadas que rompem através das camadas superficiais. O cancro do pulmão é difícil de diagnosticar porque os sintomas muitas vezes não são identificados nos estádios iniciais. É também muito difícil de curar, seja qual for o estádio em que é diagnosticado, portanto a prevenção é a melhor solução.

O cancro pode bloquear os bronquíolos, ou mesmo os brônquios, impedindo assim que o ar chegue aos alvéolos e, como tal, privando o pulmão de oxigénio. As infecções podem então desenvolver-se facilmente no pulmão isolado. Tal como acontece com todos os cancros, o cancro do pulmão pode, com o tempo, espalhar-se pelo processo das metástases e começar cancros secundários noutras partes do corpo.

Consulte o seu médico se tiver alguns destes sintomas:

- Tosse ou rouquidão persistentes;

- A tosse ou rouquidão que persiste mais de duas semanas e que não desaparece com tratamento sintomático deve ser analisada por um otorrinolaringologista. Deve ter especial atenção se é fumador;

- Perda anormal de sangue ou outros líquidos;

- Uma hemorragia vaginal, urinária, pelas fezes, na expectoração, etc., pode ser um sintoma de uma doença benigna, mas também pode ser sintoma de um tumor maligno que se origina no útero, vagina, cólon ou pulmão;

- Perda de peso não justificada (ou seja,  a perda de peso sem fazer dieta e apesar de manter os mesmos hábitos alimentares e sem aumentar a actividade física).

FONTES

Portal de Saúde do Ministério da Saúde

Liga Portuguesa contra o Cancro