Idade Maior

Melanoma: o cancro do Verão

, 2 comentários

Chegaram os meses de sol intenso e com eles os riscos associados ao cancro na pele. Descubra quais os sintomas e aprenda a proteger-se.


Existem diversos tipos de cancro de pele: basalioma ou carcinoma baso-celular, carcinoma espinocelular e melanoma maligno, sendo que este último é o mais grave. Em Portugal surgem anualmente cerca de 700 casos de melanoma maligno. A exposição excessiva ao sol é considerada a causa mais frequente de cancro da pele (cerca de 90 por cento dos casos).

Este tipo de cancro tem início nas células da pele, os melanócitos, responsáveis pela produção da melanina (o pigmento que dá à pele a sua cor natural). Quando a pele é exposta ao sol, os melanócitos produzem mais pigmento, fazendo com que a pele bronzeie, ou seja, escureça.

Por vezes, surgem saliências de grupos de melanócitos e de tecido circundante, conhecidos como sinais e que são muito comuns. A maioria das pessoas tem 10 a 40 sinais. Estes podem ser rosados, castanhos-claros ou escuros  ou de uma cor muito parecida com o tom natural da pele.

As pessoas de pele escura tendem a ter sinais escuros. Podem ser achatados ou volumosos, a maioria são redondos ou ovais e mais pequenos do que a borracha de uma lapiseira. Podem aparecer desde o nascimento ou mais tarde, geralmente, antes dos 40 anos. Tendem a desaparecer nas pessoas mais velhas. Quando os sinais são removidos cirurgicamente, o mais frequente é que não voltem a aparecer.

Melanócitos malignos
O melanoma surge quando os melanócitos (células pigmentares) se tornam malignos. No início da sua formação, a doença chama-se melanoma cutâneo. Mas, ao espalhar-se, podem surgir células cancerígenas nos gânglios linfáticos vizinhos que captam bactérias, células cancerígenas ou outras substâncias nocivas presentes no sistema linfático.

Isto significa que o tumor já se espalhou por outras partes do corpo, tal como  o fígado, os pulmões ou o cérebro. A partir daqui a doença chama-se melanoma metastizado. Este tipo de cancro também pode ocorrer nos olhos (melanoma ocular ou intra-ocular).

Causas
É um cancro bastante comum, cuja probabilidade de se desenvolver aumenta com a idade, embora afecte pessoas de todas as idade. Não se sabe as causas exactas que levam ao seu aparecimento. No entanto, existem determinados factores que aumentam a probabilidade de uma pessoa o desenvolver. A saber:

? Sinais atípicos (nevos displásicos): é mais provável que se tornem cancerígenos do que os sinais comuns. O risco é particularmente elevado em pessoas com história familiar de nevos displásicos ou de melanoma.

? Muitos sinais comuns (mais de 50): ter muitos sinais aumenta o risco de desenvolver melanoma.

? Pele clara: o melanoma ocorre com maior frequência em pessoas com pele clara que se bronzeia  e "faz" sardas facilmente (geralmente, estas pessoas têm cabelo ruivo ou louro e olhos azuis), por comparação com pessoas de pele escura.

? História pessoal de melanoma ou cancro da pele: as pessoas que já foram tratadas a um melanoma, apresentam risco mais elevado de ter um segundo melanoma.

? História familiar de melanoma: ter dois ou mais familiares próximos que tiveram melanoma é, por si só, um factor de risco. Cerca de 10% de todas as pessoas com melanoma têm um membro da família com a doença.

? Sistema imunitário enfraquecido (deprimido): pessoas cujo sistema imunitário está enfraquecido por certos tumores, por fármacos administrados depois de um transplante de órgãos ou por HIV, têm risco aumentado de desenvolver melanoma.

? Queimaduras solares graves, com feridas ou bolhas: uma pessoa que tenha tido pelo menos uma queimadura solar grave, com formação de bolhas, quando criança ou adolescente, tem um risco maior  de melanoma.

? Radiação UV (ultra-violeta): pensa-se que o aumento mundial do número de melanomas esteja relacionado com o aumento do tempo de exposição ao sol. O melanoma é mais comum em zonas com grande incidência de radiação UV do sol.

É importante que controle a sua exposição ao sol: utilize sempre protector solar, chapéu, óculos de sol e mangas compridas e evite o sol do meio-dia. Se pensa que o seu perfil físico e familiar pode apresentar  um maior  risco no  desenvolvimento de  melanomas, consulte de imediato um especialista.

Leia ainda:

> O segredo contra a doença

> Os maus hábitos dos portugueses
2 comentários
  • ana luiza padilha
    7 de Setembro
    gostaria de saber qual é a diferença entre carcinoma e melanoma, e quais os cuidados com pessoas idosas que tem esses tipos de cancer. desde ja agradeço pela atenção
  • maria
    18 de Junho
    eu sou bastante sardenta. tenho cabelo preto e olhos verdes. costumo ter cuidado com o sol mas nos últimos anos tenho sempre o peito vermelho e apesar de usar um protector 50 fico vermelha com facilidade. os meus filhos são branquinhos e apesar dos cuidados com o sol queimam até os dedos dos pés... parece que este ano o sol está ainda mais perigoso... será?