Idade Maior

Luxúria, libido e a crise de meia-idade (conclusão)

O seu marido anda com a mania do exercício ou das compras extravagantes? Tome atenção, pois este são alguns dos sintomas da crise de meia-idade.


Paige Kilponen recolhe as provas circunstanciais sobre os 10 sintomas de uma crise da meia-idade.

1. Mudança de emprego
Este é um terrível alerta avançado de que se aproxima um desastre. Quando ele chega a casa e anuncia que vai largar a sua carreira nos seguros para abrir um negócio caseiro de distribuiçãoo, já se sabe que vem aí um mau bocado.

2. Comportamento temerário
Também assustador e potencialmente fazedor de viúvas. Isto é quando ele chega a casa e anuncia que vai começar a correr em ralis/fazer pára-quedismo/surf de grandes ondas/caça aos crocodilos. "A vida é curta", filosofa ele. "Não quero morrer sem ter saltado de um penhasco."

3. Cuidados com a aparência
Um dia olha-se ao espelho e vê um tipo qualquer velho a olhar para ele. Caramba! Entra em pânico e vai comprar tesouras para aparar os pêlos do nariz, troca o barbeiro de confiança por um estilista que faz madeixas, marca hora para uma depilação das costas com cera, compra roupa nova tipo desportivo e passa a usar um perfume almiscarado.

4. Regresso ao comportamento dos 20 anos
Esta tentativa clássica para recuperar a juventude perdida envolve habitualmente o desejo súbito de ir a festivais musicais de três dias, beber em excesso, deixar revistas velhas e latas de cerveja no carro e só se alimentar de espetadas e massas instantâneas. Isto, em última análise, desfaz ou leva ao ponto 5.

5. Mania do exercício
A moda do Lester Burnham do filme American Beauty. Só pensa em fortalecer os abdominais, meter a barriga para dentro durante a corrida matinal quando passa frente às miúdas das mochilas ... Vai ao ginásio três vezes por semana e inspecciona o seu reflexo na janela enquanto levanta o novo ecrã plano e o tira do carro. Um dos poucos sintomas de CMI que deve ser encorajado.

6. Compras extravagantes
A mulher chega a casa e dá com uma moto novinha/um barco a motor/um jipe estacionados à porta e uma TV de ecrã plano instalada no barracão. Esse dinheiro era suposto durar até teres 90 anos, mas é bom vê-lo a sorrir,  para variar.


7. Flirtar
A velha armadilha do "será que ainda não perdi o jeito?" É uma questão persistente que leva muitos homens de certa idade a baixarem de uma oitava o tom da voz, encostarem-se negligentemente a uma secretária de recepção enquanto alisam o cabelo recém-pintado e dizerem coisas como: "E se fôssemos tomar um café?" a raparigas mais novas que a sua filha. Quase sempre sem consequências, mas pode levar a egos demasiado inchados ou casos de cadeia.


8. Procurar paixões antigas
Isto vem na forma mais óbvia de encontrar a namorada do 11º ano no Facebook, ou na de redescobrir a adrenalina do skate, ou na de desenterrar o velho amplificador e a guitarra para voltar a reunir os rapazes da velha banda punk. É uma tentativa desesperada de recordar quem foi e porque é que as pessoas gostavam dele. Pode conduzir a momentos de nostalgia ensimesmada e ao uso de palavras como "fixe".


9. Irresponsabilidade
Manda tatuar a frase "espírito livre" atravessada nos ombros, começa a pagar tudo com cartões de crédito e fica a pé até às 2 da manhã a ver futebol.


10. Relembrar excessivamente o passado
"Lembras-te daquela vez naquele festival em que ficámos a pé toda a noite a beber canecas de cerveja e a falar de como um dia havíamos de ...? , e blá, blá, blá..." Talvez esta não seja a melhor ocasião para a mulher entrar na conversa a recordar antigos namorados (excepto, talvez, o que tem sentado à sua frente).


Quem está mais em risco?
Há homens com mais propensão para a crise da meia-idade do que outros. Um estudo feito pela Universidade de SA identifica dois tipos de personalidade: os pensadores lógicos e as pessoas que são intuitivas e sensíveis.


Cerca de dois terços dos homens caem na primeira categoria. Estarão provavelmente a seguir os objectivos tradicionais da carreira de sucesso em ramos como o direito, as finanças ou os negócios, mas não têm uma vida interior rica. Estes homens atingem os objectivos a que se propuseram na adolescência e depois, na meia-idade, concluem que não são felizes, mas descobrem que não encontram rumo para a segunda etapa das suas vidas.

Os homens que caem na segunda categoria têm mais consciência das prioridades da vida. Segundo os referidos estudos universitários, estes homens têm menos tendência a descarrilar na meia-idade.  www.seleccoes.pt